fbpx

Tudo sobre a raça Rhodesian Ridgeback: o Leão da Rodésia

Por muito tempo, cães foram utilizados para ajudar na proteção de suas famílias e na caça. Muitas raças continuam sendo populares por sua inteligência e coragem. Sendo a única raça de cães com uma crista de pelos invertidos nas costas, o Rhodesian Ridgeback é conhecido por sua pelagem característica e por enfrentar um dos maiores predadores da natureza, o leão. Conheça a seguir mais sobre essa raça corajosa, protetora e afetuosa:

História do Rhodesian Ridgeback

O Rhodesian Ridgeback é uma raça consideravelmente antiga. Sua origem ocorreu no século XVI, quando os primeiros europeus começaram a explorar o Cabo da Boa Esperança, na África do Sul. Lá, os colonizadores europeus descobriram povos nativos convivendo com cães semidomesticados, que possuíam cristas de pelo ao longo das costas. Essas cristas são conhecidas como Ridge, dando origem ao nome da raça.

A raça foi desenvolvida para suprir a necessidade do povo Bôer de ter cães de caça capazes de retirar as caças de esconderijos, derrubar presas maiores, proteger fazendas e propriedades contra ladrões e animais selvagens e fosse um companheiro para toda a família. Além disso, era necessário um cão que fosse resistente às folhagens rígidas africanas, aguentasse as drásticas mudanças de temperatura (com pelo curto para evitar carrapatos) e que ainda sobrevivesse em épocas de baixa disponibilidade de água.

Os Rhodesian Ridgebacks são resultado do cruzamento dos cães semidomesticados nativos com diversas raças trazidas da Europa, como o Dogue Alemâo, Mastiff, Greyhound e Bloodhound. Por terem em sua genética traços dos cães nativos, são resistentes a pestes locais, como a mosca tsé-tsé, e têm a habilidade instintiva de navegar pelos ambientes africanos e evitar predadores letais.

Com a popularização da caça de grandes animais na África do Sul, os Rhodesian Ridgebacks começaram a ser usados na caça de leões, onde seguiam e distraiam os animais até que os caçadores preparassem os rifles. Por conta disso, receberam a fama de cães que caçam leões. Em 1922, um grupo de criadores do Zimbábue, antiga Rodésia, estabeleceram um padrão para a raça que, em termos gerais, permanece o mesmo atualmente.

Características do cão Rhodesian Ridgeback

Temperamento: São cães muito afetuosos, tolerantes, inteligentes e protetores. Carinhosos, amam ficar com a família, convivem bem com outros cachorros e são ótimos com crianças, apesar de, devido ao seu tamanho e força, podem derrubar crianças pequenas. Lidam bem com gatos se conviverem com eles desde filhotes, mas gatos de rua são vistos como presas a serem perseguidas.

Tendem a ser tímidos e reservados com estranhos e, se não castrados, machos podem ser agressivos com outros machos. A socialização dos filhotes é uma etapa muito importante para garantir que os cães não se tornem hostis com estranhos quando crescerem.

Quando filhotes, são curiosos e bagunceiros, mas, ao atingirem a vida adulta, se tornam cães tranquilos, gentis e quietos. Raramente latem, sendo as exceções apenas para alertar sobre algo fora do comum. Amam correr e brincar, sendo excelentes companheiros para caminhadas e competidores de provas de agility.

O Rhodesian Ridgeback é independente e teimoso, isso significa que sempre testará os limites. Por isso, é muito importante que seja adestrado desde o dia de sua chegada em casa e que as regras sejam sempre bem estabelecidas e consistentes.

Tamanho e peso do Rhodesian Ridgeback: São considerados cães de porte grande, medindo aproximadamente 60 a 68cm e pesando 32 a 38kg.

Expectativa de vida: A expectativa de vida do Rhodesian Ridgeback é de 10 a 13 anos.

Corpo: Os Rhodesian Ridgebacks possuem um corpo forte, simétrico e equilibrado. Seu aspecto geral é atlético, sendo capaz de alcançar altas velocidades ao correr. O pescoço é longo e o tórax não muito largo, mas profundo.

Pelagem: A característica mais marcante da raça é a distinta faixa de pelos nas costas do animal. Essa crista de pelos nas costas cresce em direção oposta ao restante da pelagem, se iniciando entre os ombros até o quadril. A pelagem do Rhodesian Ridgeback é curta e brilhosa e não possui fortes odores. Os tons variam de castanho amarelado a dourado avermelhado, um pouco de branco no peito e patas pode ocorrer. Podem, também, ter tons pretos no focinho, orelhas ou ao redor dos olhos.

Cuidados da raça

Os Rhodesian Ridgebacks são cães limpos com pouco odor ou queda de pelos. São animais de fácil manutenção, sendo ideal uma escovação semanal para manter os pelos brilhosos e limpos. Não têm muitas exigências alimentares, mas é importante se atentar à quantidade de alimento oferecida para prevenir a obesidade. É comum roubarem comidas de balcões, então nunca deixe comida não supervisionada próxima ao cão.

Podem viver em apartamentos, contanto que sejam exercitados todos os dias. É ideal que vivam em casas com quintais grandes para correrem, com muros altos para que não fujam. O exercício e a distração são extremamente importantes, os Rhodesian Ridgebacks são muito energéticos e, se entediados, podem danificar diversos objetos ou cavar buracos e destruir plantas. Lembre-se de treinar, brincar ou caminhar com o cão regularmente.

Por naturalmente serem cães de caça, é comum que roedores, gatos ou pássaros os façam desviar das rotas durante caminhadas, então é muito importante sempre manter o cão em uma guia ou em áreas cercadas.

Saúde do Rhodesian Ridgeback

Em geral, são cães saudáveis, mas, assim como todas as outras raças, estão predispostos a certos problemas de saúde, sendo os mais comuns:

Displasia do cotovelo: Uma condição hereditária comum em raças de porte grande, que pode causar claudicação (o ato de mancar), dor e intolerância ao exercício.

Displasia do quadril: Também hereditária, ocorre na articulação entre o quadril e o fêmur, causando claudicação, dor e, se muito avançada, artrite. Pode ser agravada com lesões ao pular e correr ou aumento de peso.

Seio dermoide: Outro problema congênito é uma abertura tubular entre a pele e a área da coluna do animal. Pode penetrar a pele, atingindo músculos ou até a medula espinhal, gerando problemas neurológicos no cão. Cães com seio dermoide não devem ser utilizados para a reprodução.

Além disso, também são susceptíveis ao hipotireoidismo, torção gástrica e catarata. Por isso, caso pretenda comprar um filhote de Rhodesian Ridgeback, garanta que o criador possua provas de que os pais sejam saudáveis. Muitas das doenças não aparecem antes dos dois anos de idade, então certifique-se também de que o criador não use animais abaixo dos três anos de idade para reprodução.

Para mais informações, consulte um Médico Veterinário do Hospital Veterinário Rebouças. Agora estamos em um novo endereço, na Av. Rebouças nº1615.

Fonte: vetSTREET, Hills, dogtime, AKC.

Leave a Reply