fbpx
Category

Blog

Tudo sobre a Giardíase!

Por | Blog | No Comments

Mas afinal, você sabe o que é Giardíase?

A giardíase é considerada uma zoonose (doença que pode ser transmitida dos animais para os seres humanos) causada pelo protozoário Giárdia lamblia que após ser ingerido, se aloja no intestino do hospedeiro, onde se desenvolve causando vários desconfortos para o seu Pet.

Os pets entram em contato com a Giárdia através da ingestão de cisto do protozoário que por serem extremamente resistentes podem ficar por meses no ambiente, como em fezes da rua, na água ou até mesmo no pelo do pet, com isso acabam ingerindo o cisto e dando origem a um novo ciclo.

O principal sintoma é a diarreia, sendo comum ser passada despercebida, contribuindo assim para a evolução do caso. As dores de estômago, vômitos e a diarreia intensa podem causar uma desidratação grave. Outros sintomas observados são a perda de apetite, fezes líquidas ou pastosas com odor forte (podendo ter presença de sangue), fraqueza e sensibilidade abdominal.

Para que você tenha certeza de que seu pet está com giardíase, é preciso realizar exames laboratoriais como o parasitológico de fezes (lembrando que deve ser colhida três amostras em dias alternados, pois os protozoários não são eliminados em todas as evacuações) e temos disponível também um teste rápido que detecta o antígeno da giárdia (podendo ser feito com as mesmas fezes do parasitológico), a escolha dos dois exames proporciona mais precisão no diagnóstico e rapidez no tratamento.

O tratamento é feito com antibióticos específicos, além da higienização do ambiente, acessórios e do próprio pet.
A prevenção pode contar com a vacina que reduz significativamente a incidência, severidade e duração da eliminação de cistos e, consequentemente, a contaminação do ambiente. Entre esses cuidados com a higienização e vacina, o veterinário pode prescrever também vermífugos a cada 4 ou 6 meses.

Segue aí algumas dicas para evitar e proteger você e seu pet da Giardíase:

– Nunca deixe seu pet lamber ou cheirar fezes na rua;
– Quando chegar em casa, lave bem as mãos e tire os sapatos;
– Mantenha o ambiente em que os pets comem sempre limpos;
– Ofereça sempre água filtrada para o seu pet;
– Se tiver mais que um pet, é importante que todos façam os exames;
– Faça visitas regular ao veterinário.

Aqui no Hovet Rebouças temos todos esses recursos, faça já os exames no seu pet e fique livre de qualquer desconforto para ele e para você.

Conheça o Pelo Curto Inglês!

Por | Blog | No Comments

O Pelo Curto Inglês é um gato de porte médio, conhecido por ser um animal robusto! Veja nesse texto tudo sobre essa raça, como história e curiosidades, o comportamento do Pelo Curto Inglês, a sua pelagem e os cuidados que você deve ter com o esse felino!

História e curiosidades🐱: Também conhecidos como English Shorthair, como seu nome sugere, a raça foi originada na Inglaterra e é representada na literatura inglesa por meio de obras como “O gato de botas” e “Alice no País das Maravilhas”. A raça foi criada durante a era Vitoriana, quando exposições de gatos começaram a se popularizar e queriam criar um padrão para gatos com pedigree. Os English Shorthair eram os únicos dessas exposições a terem o pedigree. Apesar de muito conhecidos na Inglaterra, a raça passou a se popularizar no restante do mundo apenas a partir de 1960.

Comportamento do Pelo curto inglês🐈: Gatos tranquilos, apesar de gostarem de brincar, não são exacerbadamente energéticos e não tendem a ser destrutivos. São excelentes companheiros para a família, não gostam de colo, mas adoram carinho e ficar próximos do tutor.

Pelagem🐱: Os English Shorthair possuem pelo curto e liso que não precisa de alta manutenção, sendo recomendada a escovação semanal para manter o brilho e evitar a queda excessiva dos pelos. As cores da pelagem variam muito. Apesar da variedade azul ser a mais conhecida, podem ser encontrados em outras cores como lilás, chocolate, preto e branco.

Cuidados com a raça🐈: É uma raça geralmente saudável, mas é importante que o tutor se atente à hemofilia B e cardiomiopatia hipertrófica.

🔎Fonte: CatTime, VetStreet